a responsabilidade pelos seus objetos é sua


Eu sempre tentei ser uma pessoa muito organizada, principalmente com os estudos, meus cadernos eram muito bem decorados e eu tinha várias pastas para guardar os trabalhos, provas e apostilas e sempre me orgulhei disso, porém acabava juntando um monte de papéis e quando passava o ano eu não queria me desfazer de nada porque achava que iria utilizar algum dia ou simplesmente ficava com dó, pois tão lindos os caderninhos e o resultado de tudo isso foi um montante de coisas guardadas desde a quinta série até o último ano da faculdade e se procurasse bem tinha coisas do primário também.

Como eu já me mudei várias vezes não fiquei carregando tudo isso comigo e deixava na casa dos meus pais em um móvel no quarto de hóspedes e para mim estava ok, nunca mais mexi porque não usava pra nada e minha mãe nunca reclamou.

Quando li o livro A mágica da arrumação, vi que a Marie Kondo fala que a responsabilidade pelas suas coisas é sua e que deixar tralha na casa dos pais ou repassar a pessoas da sua família coisas que elas não querem acaba como uma obrigação pra eles aceitarem porque fica chato dizer não, eu até achei a fala interessante, mas não me toquei que eu fazia exatamente isso com minha papelada de escola.

Durante minha licença maternidade fui passar um tempo na casa dos meus pais e minha mãe me falou que queria tirar aquele móvel do quarto, mas que ainda tinha muita coisa nele, meio que me dando uma indireta bem direta sobre aquela minha tralha, então fui revisitar aqueles mais de dez anos de papéis e percebi que não serviam pra nada e era realmente muita coisa, eu guardava cada prova, cada trabalho que já fiz e percebi que eles já tinham cumprido seu papel na minha vida,  revisei tudo aquilo, guardei no coração as lembranças, tirei foto de algumas coisas, separei outras mais sentimentais em uma pequena caixa e deixei ir todo o resto, minha mãe ficou feliz com mais espaço no quarto e eu com menos tralha (que nem lembrava que existiam) pra me preocupar.

Acredito que o minimalismo é algo que se estabelece aos poucos na nossa vida e perceber essas nuances de acumulador que as vezes achamos que não é nada de mais tem me feito muito bem porque além de liberar espaço na minha vida,  nesse caso também liberou espaço na vida da minha mãe, eu sei que ela guardaria com todo carinho se eu continuasse deixando lá, mas essas coisas eram de minha responsabilidade e por mais que ela não as quisesse jamais iria se livrar sem meu consentimento, fiquei feliz com esse destralhe e acho que esse é o verdadeiro propósito de destralhar: liberar espaço e nos deixar bem com isso.

7 comentários

  1. nossa, destralhar é uma coisa que me traz uma paz ENORME, haha. claro que tem que ter disposição e nem sempre é fácil exercitar o desapego, mas ter consciência das coisas que você possui é bom demais, né? eu passei por alguns destralhes durante a vida, por ter uma mãe que tem tendência a acumular, fui seguindo para o mesmo caminho. até que percebi que isso não tava me fazendo bem e comecei a desapegar das coisas, meu primeiro grande destralhe (com mais de 5 sacolas enormes) foram das coisas da faculdade e da escola, que também guardava para "o caso de algum dia precisar". foi libertador, haah. depois fiz das roupas, dos sapatos e mais recentemente consegui "zerar" meu quarto e tenho consciência de tudo que tenho guardado aqui, melhor sensação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é isso! ter consciencia das coisas que você tem, eu sei lá se isso tem a ver com signos, mas me faz bem demais saber cada coisinha que tenho e onde ela está, sinto até um orgulhinho quando me perguntam e eu digo exatamente:"está naquela gaveta embaixo daquele caderno" e a pessoa vai procurar e realmente está lá hahaha. desapegar é bom, mas agora estou no caminho de não deixar entrar pra não acumular mais, esse é todo um processo né? mas só pelo fato de tomarmos consciência já é libertador!

      Excluir
  2. uma coisa que eu já nem sei se li em algum lugar ou simplesmente me falaram mas que me marcou muito é que: pra energia nova entrar, a velha precisa dar lugar. precisa de espaço pra energia circular sabe? isso foi fazer muito sentido pra mim, de uma forma meio brusca na verdade, quando invadiram minha casa anos atrás e levaram minhas coisas. depois do processo do susto, de ter perdido coisas que eu gostava muito e tinha suado pra conseguir, me peguei pensando justamente no apego que criamos por tudo. é louco como alguns acontecimentos mexem com a gente né? depois disso criei uma certa leveza ao me desfazer de roupas que não uso mais, de caixas com lembranças que fizeram parte de uma época mas que não me representam mais. a gente muda tanto no decorrer da nossa vida... enfim, me empolgando demais por aqui, sorry. só sei que é um caminho sem volta e é libertador demais. parece até que a gente aproveita melhor as coisas do momento e depois, quando for o caso, não sofre tanto pra "deixar pra trás".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nossa! fazer as energias circularem assim no susto não deve ter sido fácil, mas imagino sua reflexão depois que passou o susto. é exatamente isso que eu penso quando vou me desfazer de algo que já foi importante: o meu eu do passado gostou muito disso, mas agora eu sou outra pessoa que já não gosta mais, é libertador!

      Excluir
  3. Com certeza esse processo de desapego em nossa vida é muito importante. Nós somos acostumados a acumular, por colocar sentimentos em coisas, mas isso não é saudável.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não mesmo Monique e mudar isso é difícil, mas seguimos um passo de cada vez (:

      Excluir
  4. Gostei da ideia de fotografar algumas coisas antes de jogar fora. Acho que é uma forma mais "leve" de guardar rs

    E também concordo com a sua visão do minimalismo. Não precisa se aderir 100%. Mas implementar algumas partes, ou ir aos poucos já é o suficiente.

    Bom final de semana Ana ♥

    ResponderExcluir